30 de outubro de 2010

A entrevista de José Dias de Moraes Neto que defende Dilma Rousseff para o 2º Turno

Caros moradores,

Por vários dias procurei entrevistar novamente opiniões diferentes quanto ao 2º turno entre os antropósofos que conheço. Fiz convite formal a dois deles que apoiam a Dilma e ambos imediatamente concordaram em colaborar com o Blog Alô Bairro Demétria e assim enriquecer o debate político no bairro. Apenas um deles me pediu para ficar como uma segunda opção se o outro não pudesse responder. Assim foi feito, e hoje temos a oportunidade de ler as respostas de Zeca Moraes, estudioso de antroposofia há mais de 30 anos e criador/moderador do fórumantroposófico na internet (lista yahoo) desde sua fundação.
Quanto aqueles  que informalmente declaram apoio ao Serra neste 2º turno, infelizmente não obtive sucesso na  busca por um que respondesse à entrevista proposta, apesar de ter feito convites formais a 5 deles.Todos igualmente alegaram estar no momento sem tempo para essas respostas.
Assim, publico hoje exclusivamente o ponto de vista de Zeca Moraes e agradeço a sua colaboração. Estou certa que suas respostas irão suscitar o enriquecimento da reflexão e do debate que já vêm ocorrendo no bairro sobre o 2º turno destas eleições.Boa leitura.


1-A primeira pergunta é relativa ao programa de seu canditato e também sobre o programa do candidato oponente:

Eu não creio que o programa de governo seja o mais importante numa comparação entre os candidatos; mais importante que pontos definidos e particulares é a ideologia que conduz o pensamento e orienta as ações de cada candidato/proposta/coligação. Sendo assim, vou desenvolver uma reflexão sobre o que considero a ideologia de cada candidato. Dessa maneira, a própria figura de cada candidato se torna de menor importância, e passamos a discutir as ideias que os norteiam e a seus grupos políticos.
a)Escreva 3 aspectos bem objetivos do programa de ações de governo do seu canditato que você acha indispensáveis ao nosso país. Justifique essa importância que você atribuiu. 

A ideologia que me parece ser a de Dilma Rousseff - ou do grupo que ela representa - é o socialismo, ou o pensamento dito de esquerda. A meu ver, o princípio fundamental do socialismo é o altruísmo, a preocupação com a comunidade, com o outro: não basta que eu esteja bem, que meus próximos estejam bem; a comunidade só estará bem quando todos, em toda sua variedade, estejam bem. Sendo assim, o governo dos últimos oito anos promoveu uma redistribuição de renda que nunca houvera neste país, e que aconteceu de várias formas, desde a progressiva erradicação da pobreza, com o programa Bolsa-Família, como o apoio à educação em todos os níveis, com a fundação de inúmeras universidades (14) e escolas técnicas (mais de duzentas). O resultado de tal política é que todo o país enriquece. Ao contrário da crença popular e antiga de que "socialismo é tirar dos ricos para dar aos pobres", o socialismo, em nossa prática, mostra que ao darmos condições a todas as classes para que se integrem como cidadãos plenos, portanto também com direito a consumo, toda a sociedade enriquece - inclusive aqueles já ricos. A sociedade inteira então floresce.
b)Escreva 3 aspectos bem objetivos do programa de ações do candidato oponente que você acha muito ruins. Justifique essa sua opinião.

Neste caso, é muito claro que a proposta ideológica de José Serra - ou do grupo que ele representa - é a ditada pelo pensamento neoliberal. Esta proposta prevê sobretudo o conceito de Estado mínimo, com toda a iniciativa de suprimento de serviços e produtos à sociedade passado à iniciativa privada. Eu creio que seu princípio basilar é o egoísmo, a busca da solução e do lucro individual, em detrimento do socialmente importante. O princípio e o fim desse sistema é o dinheiro, o capital. Ora, o capital é apenas uma materialidade. Sendo assim, só almeja o seu próprio crescimento, em prejuízo de todo o resto, sobretudo de qualquer consideração ética ou moral, de qualquer valor. A consequência em nossa prática foi uma aguda divisão de renda - lembremos que nos anos de gestão do PSDB, sob Fernando Henrique Cardoso, o Brasil chegou à segunda pior divisão de renda do mundo, dentre c.170 países, pensemos quantos e quais países estavam então à nossa frente nesse aspecto. O patrimônio do Estado é passado também à iniciativa privada, como mostraram todas as privatizações daquele período, e um dado comparativo me basta: em quase 500 anos de história construímos tudo que havia neste país com o comprometimento de 38% do PIB em dívida externa; apenas durante o governo FHC essa dívida subiu para 78% do PIB - um caso único, uma vez que foi o grande período de privatizações. Sendo José Serra e seu grupo aqueles que defendem o legado de Fernando Henrique Cardoso, creio que podemos esperar o mesmo caso Serra seja eleito.
2-Nessa segunda pergunta, peço-lhe que:

a) Liste 5 ações notáveis e comprovadas (por favor apresente documentação de referência confiável) do seu candidato (pessoa física, não partido) que ao seu ver o gabaritam à presidência.

A primeira coisa que se pode e deve falar de Dilma Rousseff é justamente sobre aquilo que ela é mais injustiçada, que é seu passado de guerrilheira. Considero tal fato extremamente honroso na biografia dela, e pensar de outra maneira é assumir o discurso da ditadura, quase trinta anos depois. Recomendo que se veja este vídeo, para esclarecimento. Dilma teve uma biografia marcada sobretudo pelo idealismo (o que só por si já considero especialmente importante), pricipalmente o de construir um país igualitário e soberano; mesmo sendo oriunda de uma família de classe média alta, recusou as benesses desse status em nome de seus ideais (informações tiradas das primeiras páginas deste artigo); tem uma longa carreira como administradora pública, ascendendo de estagiária na Fundação de Economia e Estatística (órgão responsável por estatísticas do governo do estado do Rio Grande do Sul), secretária da Fazenda da Prefeitura de Porto Alegre, secretária de Minas, Energia e Comunicações do Rio Grande do Sul, ministra das Minas e Energia no primeiro mandato de Lula, até ministra-chefe da Casa Civil do governo que termina. Nesta longa trajetória foi sempre bem sucedida, tendo sempre estado longe de casos rumorosos de corrupção, ainda tão comuns neste país. Confesso aqui que não achei o que eu considerasse "documentação de referência (suficientemente) confiável", como solicitado; nestes tempos de campanha eleitoral o que achei era sempre parcial, ou para um lado, ou para outro. No entanto, como se sabe toda a grande imprensa - a revista Veja, os jornais Estado de São Paulo e Folha de São Paulo, e a emissora Globo e jornal do mesmo nome - encontra-se flagrantemente alinhada ao candidato Serra. Sendo assim, pode-se imaginar que essa imprensa revirou muitas vezes cada pedra do passado da candidata e não encontrou absolutamente nada suspeito, então ainda que não tenha confirmação do que eu possa julgar fontes de referência independentes, apenas o fato dessa grande imprensa não ter encontrado nada que desabone a candidata Dilma já basta como confirmação de sua ilibada carreira pública.
b) Liste 5 ações notáveis e comprovadas (por favor apresente documentação de referência confiável) que ao seu ver o desabonam como candidato (pessoa física, não partido) à presidência.

A própria campanha que o candidato Serra vem desenvolvendo, com ampla utilização de calúnias, já bastaria para desaboná-lo. O último fato foi a encenação de ter sido atacado com "um objeto pesado", quando foi atingido por uma simples bolinha de papel, em comício no Campo Grande, RJ. Aqui vê-se a reportagem da rede SBT. Dentre outros motivos, posso enumerar: foi o grande propugnador das privatizações, que dilapidaram o patrimônio público brasileiro, como afirma Fernando Henrique Cardoso, neste vídeo, além de várias outras, como se lê aqui; não foi "o melhor ministro da Saúde que o Brasil já teve", como gosta de dizer, ao contrário, quando era ministro do Planejamento e Adib Jatene o da Saúde, não apoiou a vinculação de verbas para a Saúde, como disse Jatene em longa entrevista à Bandeirantes no domingo passado (um resumo se encontra aqui), e não fez os genéricos, que foram feitos pelo ministro Jamil Haddad, durante o governo de Itamar Franco, conforme este mesmo declara; as promessas de Serra são apenas eleitoreiras, sem a menor possibilidade de se tornarem reais, como mostra este artigo, o que torna portanto todas suas outras promessas - como a de não privatizar empresas e patrimônio público - muito suspeitas; não é ambientalista, como diz, ao contrário, faz parte de sua coligação e o apoiam os maiores desmatadores do chamado "arco de fogo" da Amazônia, como mostra este gráfico; e por último (e não precisaria ser), Serra é preconceituoso e por oportunismo eleitoral se junta aos grupos mais reacionários e conservadores de nossa sociedade, até mesmo contra os direitos dos homossexuais.


3-Nessa 3ª pergunta, peço-lhe que:

a)Descreva com suas palavras como você vê a história do partido do seu candidato.

O Partido dos Trabalhadores nasceu dos movimentos sindicais operários que reagiam à ditadura no chamado ABCD paulista. De um partido de espectro relativamente estreito, formado sobretudo por operários (da indústria metalúrgica ou montadoras de automóveis e suas satélites) e intelectuais (sobretudo paulistanos) de esquerda, amadureceu, juntamente com o panorama político do país depois do hiato da ditadura militar, para um partido de centro-esquerda, bastante pragmático, que assumiu a bandeira da social-democracia, abandonada pelo PSDB.


b)Descreva com suas palavras como você vê a história do partido do candidato oponente.

O PSDB, ou Partido da Social Democracia Brasileira, nasceu como divisão do antigo MDB, este o único partido de oposição admitido pela ditadura militar. Como o nome diz, em princípio pretendeu assumir a bandeira da social-democracia, e reuniu intelectuais e economistas paulistanos de centro-direita ligados ao grande capital. Progressivamente abandonou o discurso social-democrata e assumiu o neoliberal, que praticou largamente durante os anos em que esteve no poder, de 1995 a 2002, com Fernando Henrique Cardoso. Hoje parece estar derivando ainda mais à direita, ligando-se a grupos de extrema-direita, como Opus Dei, TFP, fundamentalistas evangélicos, e até mesmo integralistas. Assume o discurso golpista da antiga UDN, partido da elite paulista de antes do golpe militar de 1964.


E para finalizar, fale um pouquinho sobre sua própria trajetória política.

Meu nome é José Dias de Moraes Neto, ou mais simplesmente Zeca Moraes, 53 anos, paulistano mas morando em Curitiba há 25 anos. Sou músico, clarinetista da Orquestra Sinfônica Estadual do Paraná. Estudo a Antroposofia há já quase trinta anos, tendo me interessado sempre mais pela doutrina em si do que pelas suas aplicações práticas, como agricultura biodinâmica, medicina, ou pedagogia Waldorf. Nunca tive uma carreira política; se se pode dizer isso, tive pequena atuação no movimento estudantil dos anos 70, e fui por algumas gestões (de um ano) presidente da associação profissional dos músicos de minha orquestra. Não sou filiado a nenhum partido nem nunca participei de movimentos políticos. Há relativamente pouco tempo conheci a proposta da Trimembração Social de Steiner. A meu ver essa proposta de organização político-social é uma forma alterada de socialismo, cujo princípio permanece o mesmo: o ser humano como princípio e fim, e seu valor maior o altruísmo. Minha escolha política nesta eleição (e nas passadas) pautou-se sempre por estes princípio e valor, e por isso vejo com felicidade a congruência de minha escolha com os princípios da Antroposofia.
Por último, e pressupondo que me dirijo a uma plateia de antroposofistas, gostaria de sugerir que lessem este artigo, que investiga e perscruta as forças que sustentam e estimulam o neoliberalismo, e que meditem sobre que forças espirituais estarão apoiando com seus votos.

17 comentários:

  1. Zeca,
    Meu voto no segundo turno é também sem dúvida alguma para a Dilma, mas faço parte do grupo que assim se coloca por "não querer a volta de uma direita repressiva e do centro neoliberal encarnado pela candidatura de Serra". Minha visão sobre os 8 anos de governo Lula é crítica e se aproxima bastante dessa aqui:
    http://www.tlaxcala-int.org/article.asp?reference=1585 ,
    onde o sociólogo Atilio Boron é citado qualificando seu governo de “possibilismo conservador”.
    Veja por exemplo sua atuação na questão dos trangênicos, da cana de açúcar e do novo código florestal. No âmbito da educação, também deixou MUITO a desejar para quem ficou afinal oito anos no governo. Mas mesmo assim, e isso não é nenhuma proeza diga-se de passagem, andou bem mais que o governo FHC neste aspecto.

    ResponderExcluir
  2. Sheyla Maria de Oliveira Ferraz27 de outubro de 2010 11:48

    Zeca,
    Concordo completamente com sua análise e, embore concorde também com as críticas ao governo Lula apontadas pela Eduarda, me pegunto se as lacunas deixadas por ele o foram por descaso com a questão ambientalista e, acrescentaria também, com um combate mais incisivo à corrupção, ou, se ele fez o possível. Afinal, nem mesmo individualidades se transformam em apenas oito anos, quanto mais um país com quinhentos anos de história.
    A meu ver, o olhar social do governo Lula por si só já é um indicativo do compromisso com o altruímo em detrimento do egoísmo que permeia históricamente nossas mentalidades. E a Dilma, sem dúvida, tem esse compromisso.
    Abraços
    Sheyla Ferraz

    ResponderExcluir
  3. Carlos Souza Aguiar27 de outubro de 2010 12:16

    Uma pena, um blog tão interessante fazendo uma propaganda partidária tão dirigida e parcial. Um leitor a menos ...

    ResponderExcluir
  4. Ops,transgênicos, mas acho que deu para entender.

    ResponderExcluir
  5. Carlos Aguiar,
    Fique à vontade para ler ou não, mas quando for ler leia MESMO. Como agora mesmo você não o fez: Veja lá acima nesse post a descrição que fiz da "LUTA" que foi arranjar um defensor do Serra para responder à entrevista: todos que convidei literalmente pularam fora. Agora se você se dispuser a quebrar a uniletaridade de opinião e, agora mesmo nos comentários se colocar, eles estão abertos!!! Por favor se coloque e assine, estou esperando...Espero que não fique a esperar para sempre como com os outros.

    ResponderExcluir
  6. Ah, quanto ao seu comentário "um Blog tão interessante" agradeço! Confesso que ao meu ver ele ainda está muito aquém daquilo que poderia e deveria ser...Um dia chegaremos lá.Vou ver se envolvo alguns jovens do bairro nesse projeto.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  7. Eduarda e Sheyla, ótimo que tenham comentado, talvez não tenha ficado claro no questionário que respondi, mas eu também tenho visão bem crítica do governo Lula. Inclusive com críticas coincidentes com a que você, Eduarda, tem, como a questão do meio ambiente e o comprometimento ecológico, nas questões dos transgênicos, do código florestal, etc. Até achei bom que houvesse essa curiosa "onda verde" que nos levou ao 2º turno, eu esperava que a Marina, que já tinha recebido oferta de Serra de quatro ministérios e respondeu que não estava interessada nisso, mas em discussão programática, eu esperava que ela e o PV constrangessem Dilma e o PT à anexação da agenda ecológica ao programa de Dilma, mas pelo visto não ocorreu, porque o PV tem em seus quadros aqueles com inclinações também à direita e o partido não aceitou a composição com o PT. Infelizmente, foi uma grande oportunidade que Marina e o PV - e a ecologia brasileira - perderam.
    Quanto ao ensino, ao que parece houve uma grande recomposição da carreira acadêmica pública e as universidades federais estão todas com Lula, basta lembrar o manifesto dos reitores. Coincidentemente conversei com uma grande amiga, Tânia Stoltz, profa. da Federal do PR, chefe da Pedagogia, e esse dept. tem um mestrado (nota 5 do MEC) com ênfase em pedagogia Waldorf, fiz até uma matéria com o Marcelo da Veiga Greuel (agora Marcelo da Veiga Kron) em março de 2009. Tânia comentou comigo como o acadêmico, FHC, levou o ensino à ruína, enquanto o pouco-estudado, Lula, recompôs o sistema, e para ela isso é prova de como nossa pedagogia está em crise, falida.

    ResponderExcluir
  8. Zeca,

    Realmente essa parcela dos votos da Marina que é muito conservadora, de ideologia muito próxima a valores da extrema direita, inicialmente me deixou intrigada, pois a Marina tem posições políticas no âmbito sócio-econômico que se essas pessoas estivessem em "sã consciência" jamais votariam nela.Mas depois, observando melhor o discurso dessas mesmas pessoas, percebi se tratar do famoso "voto da direita envergonhada" que se esconde num discurso ambientalista progressista, sem se dar conta que as mudanças ambientais só podem caminhar junto com aquelas mudanças sociais e econômicas que elas abominam.

    ResponderExcluir
  9. Oi Zeca,

    Gostaria de comentar o conteúdo dsse último link que você sugere que leiamos nesse parágrafo da sua entrevista:"Por último, e pressupondo que me dirijo a uma plateia de antroposofistas, gostaria de sugerir que lessem este artigo, que investiga e perscruta as forças que sustentam e estimulam o neoliberalismo, e que meditem sobre que forças espirituais estarão apoiando com seus votos."

    Na minha opinião,os partidos em geral (grifar mentalmente por favor!rsrs)seguiram os mandamentos dessa cartilha que o artigo se refere. Nossa política está inteira (grifar novamente) permeada por esses pressupostos táticos. Um longo caminho educacional para mudar isso! E com essa mídia de massas que temos por aí afora fica ainda mais complicado mudar o quadro. O trabalho de formiguinha de cada cidadão ainda é a esperança.

    ResponderExcluir
  10. Eduarda, sobre seu comentário anterior a este último, sobre a parcela de votos de Marina que você chama de "direita envergonhada", também me estranha que o PV esteja se tornando uma alternativa para essa direita, em grande parte egressa do próprio PSDB. Não sou nenhum especialista em política europeia do séc.XX, mas lembro aqui que um dos fundadores do PV foi o famoso artista plástico Joseph Beuys, que se intitulava e de fato era um empenhado antroposofista, propugnador entusiasta da Trimembração.

    ResponderExcluir
  11. O socialismo na prática não é nem um pouco parecido com o que o Sr. José Dias descreveu. Se tens dúvida, olhe para a história, a começar pela Russia, passando por Cuba, até chegar na Venezuela. Se possivel fosse, deveríamos poder fazer uma pesquisa de opinião, mesmo que fosse através do Vox Populi, que é a mais tendenciosa, para sabermos dos que vivem em tal regime, quem deles não daria o mindinho da mão esquerda, para se livrar do caudilho em que vive. Sergio Esposto.

    ResponderExcluir
  12. Veja Sérgio, se se quer contextualizar uma prática de socialismo então devemos incluir nessa sua lista praticamente todos os países europeus (e Canadá), que são altamente socializados, sobretudo os nórdicos, e que são exemplo permanente até mesmo para nossa direita. Temos que ser equânimes em nossa contextualização.

    ResponderExcluir
  13. Não entendi o que o Sr. Zeca falou sobre a Europa. Eu vivi em alguns países e especialmente na França e na Bélgica percebi que há uma forte xenofobia e preconceito. Meu ponto é: desenvolvimento no social, quando todos no país são ricos e brancos. Basta que entrem na questão pessoas mal sucedidas, pobres e escuros que a coisa muda de figura. Exemplo é o caso dos ciganos na França. Como se diz em Norte América, a América é para os americanos. Isso não é desenvolvimento social. Isso é direita. Isso é racismo, preconceito e egoísmo. Para mim está muito claro que socialista nos países socialistas é só o povo. Quem já foi à Cuba sabe que aí há muito luxo e riqueza, só o povão é que passa aperto. E além do aperto material, penam com a falta de liberdade que é extrema. Se o sistema fosse bom e se fosse honesto, pra que tirar a liberdade do povo. Não entendo isso, não sou craque em política, mas creio que nos dias atuais precisamos buscar algo diferente. Uma proposta equilibrada de governo. Nem direita nem esquerda. Só não sei qual. Além disso não entendo como é que alguém comprometido com o social e a liberdade possa participar de assassinatos e roubos. Que tipo de liberdade é essa em que se tira a vida do oponente. Será que devemos citar Gandhi como alguém verdadeiramente comprometido com o social...

    ResponderExcluir
  14. Olá, Denise. No seu comentário creio que você se refere a algumas coisas diferentes, vamos a elas.
    Quando você comenta sobre o que eu falei sobre a Europa, creio que terá sido sobre o meu comentário imediatamente anterior, em resposta ao Sérgio, em que digo que os países europeus são altamente socializados. Eu quis dizer que nesses países a riqueza é bem distribuída - ou muito melhor do que no Brasil, sem dúvida. Há ensino e saúde públicos e gratuitos, acessíveis a todos, há pouca diferença entre as faixas salariais superiores e inferiores, e assim por diante. Isso caracteriza um país como socializado, foi o que quis dizer, e eu opus essa constatação àquela do Sérgio, que afirmava que o socialismo seria sempre ruim, como naqueles países que ele enumera.
    No entanto, como você corretamente menciona, há também xenofobia e racismo naqueles países em relação a imigrantes de países mais pobres, via de regra antigas colônias daqueles países europeus que, por isso, ganharam (ou não...) direito à cidadania. É notável que a grande diferença social que foi vencida dentro desses países europeus, em relação à sua população nacional, permanece a nível mundial, entre as várias nações, e esses imigrantes, "invadindo" aqueles países europeus, obrigam essas nações ao confronto com esse conflito ético e moral. Creio que este será, mais cedo ou mais tarde, um próximo obstáculo a superar, o da desigualdade entre as nações, lembrando que desde aproximadamente o começo do séc. XX entramos na era dirigida pelo arcanjo Micael, de c. 300 anos, que privilegia, dentre outros, as comunicações e o internacionalismo. E como em qualquer lugar, há também o egoísmo, seja na Europa, seja em Cuba.
    Invertendo um pouco a sequência do que você menciona, e me referindo ao que você diz, que não entende como alguém comprometido com o social possa participar de roubos e assassinatos, eu creio que você se refere ao chamado passado de "terrorista" de Dilma Rousseff. Bem, isso é uma falácia, porque pretende inverter os valores. A ditadura era a verdadeira terrorista, veja por favor este link: http://www.youtube.com/watch?v=eYKBoiPZoCM
    E quanto à necessidade de uma nova forma de governo, algo entre a direita e a esquerda, sem dúvida é sim necessária. A boa notícia é que ela já existe, ao menos em tese, e se chama Trimembração Social, como nos apresentou Steiner. Sugiro que, já que você sente essa necessidade e começa a se interessar pelo assunto, que procure ler sobre ele, há alguns livros da Editora Antroposófica sobre isso.
    Espero ter respondido suas dúvidas.

    ResponderExcluir
  15. Olá, obrigada pela resposta. Sim, vou tratar de ler a respeito da Trimembração Social. Concordo e discordo de você quanto á Europa. Ciganos são cidadãos europeus....penso que na Europa há também divsão social, assim como na América do Norte. O que eu quis dizer é que embora o sistema seja muito organizado, ele é separatista. Nos EUA, eu andava de õnibus e era a única branca sempre. Mas os negros são americanos, não são....Eles também estudam em escolas diferentes das dos brancos e vivem em bairros negros, assim como ocorre em toda a Europa. Todos sabemos dos bairros negros de Londres e Paris. Sabemos que esses bairros não são nada românticos. Mas eles são cidadãos europeus, só que de pele escura e pobres. Infelizmente não creio que a Europa possa ser citada como países de qualidade socialista. Mas eu entendi o que você disse e concordo. Realmente as instituições públicas na Europa têm muito boa qualidade além das outras coisas que vc citou, concordo e espero que isso venha a ser no Brasil.
    Eu também concordo com você que a ditadura era terrorista. Mas terrorista é também aquele que responde com terrorismo. Creio que há muitas formas de se combater; a violência é uma delas. Isso depende da escolha de cada um. Você acha que o tráfico de drogas deve ser combatido com violência, entrar nas favelas metralhando seria uma boa opção. Pena de morte, você concorda...Combater o mal com o mal. Não quero julgar as escolhas da Dilma, apenas quero que julguemos os fatos com razão.

    ResponderExcluir
  16. Olá, Denise. Os ciganos são, sim, europeus, mas de fração subdesenvolvida, da parte leste da Europa. Sem dúvida há divisão social na Europa, e, apesar de bastante socializado, o sistema é implicitamente separatista, pois sendo capitalista, como o nome diz, seu princípio é o capital, e não o Homem. Voltando, portanto, àquilo que gerou nossa discussão, ou no que nos interessa como antropósofos, a questão central é de princípios, ou egoísmo x altruísmo.
    Quanto à questão do terrorismo, note que essa denominação de "terroristas" foi dada àquele grupo pela própria ditadura. Logo, ao assumirmos esse discurso, seria como assumirmos o discurso dos Nazistas ocupantes da França, que denominavam os partisans, insurgentes da Resistência francesa, como "terroristas" - e hoje eles são tidos como heróis nacionais.

    ResponderExcluir
  17. Oi, Sr. Zeca. Eu gosto muito da sua opinião. E compartilho da idéia dos princípios. Mas o Sr. concorda comigo que muitos tratam de se esconder sob o manto de alguma filosofia humanista para praticar atos egoístas, sem culpa. Eu posso estar equivocada, mas pra mim, tais pessoas no poder, são difíceis de serem acusadas, pois elas estão sob a proteção do tal "manto". Eu compartilho do pensamento da Madre Tereza, quando disse: "A pessoa mais perigosa é a mentirosa". Não há como acusá-la...Prefiro assim os de direita assumidos aos ditos de esquerda hipócritas. Pouco entendo do evangelho, mas se não me engano, até mesmo Jesus Cristo critica pesadamente aqueles que não assumem um ou outro lado, mas que permanecem no meio. Esses ditos diplomatas, se enganam ao pensar que podem agradar a todos; isso é impossível.
    Concordo com o que disse, não quero tomar partido da ditadura e nomear todo rebelde de terrorista. Meu ponto é um só. Existem muitas formas de se lutar por uma causa. Pra mim não tem sentido nenhum combater a violência com a violência. Pra mim isso é compactuar. Que tipo de mente luta pela liberdade usando-se da violência. A violência é por si só a encarnação da privação da liberdade.

    ResponderExcluir

Assine seu comentário.Somente comentários ofensivos ou não assinados não serão publicados.Obrigado por participar.