28 de fevereiro de 2011

Os CDs com o Samba Enredo do Carnaval 2011 já estão à venda!


Compre já o seu CD! Os locais que terão CD a venda (R$ 8,00) são:

Jequitibá
Copaíba
Stamtisch
Sitio Bahia

Sobre o CD: o valor arrecadado com a venda do CD do samba enredo da Unidos da Demétria-2011 é destinado integralmente para cobrir parte das despezas inerentes à: fantasias, bateria, adereços de rainha, destaque das alas, faixas.



A Escola de Samba com cerca de 200 componentes, desenvolve neste tema, fantasias e coreografias retratando a vinda de imigrantes de diversos lugares do mundo: Suíços, Alemães, Italianos, e tantos mais, morando neste “pedaço de chão”, perpetuando a miscigenação e comungando ideais em torno de uma filosofia, chamada Antroposofia, iniciada por Rudolf Steiner, filósofo Austríaco, que nesse ano completa 150 anos de seu nascimento.

A Antroposofia está presente em diversas iniciativas da Demétria:
-Na Pedagogia Waldorf, na Arquitetura Orgânica, na Medicina, na Odontologia, na Agricultura Biodidânica...

O cuidado especial com a terra, a isenção de agrotóxicos, a reciclagem do lixo, a preferência pela locomoção não poluente, a consciência ecológica, o incentivo à arte e à cultura norteiam os moradores desse bairro, e a nova geração, produto dessa miscigenação, cultiva este amor à natureza, com profunda devoção.

À frente da bateria temos a Rainha do Carnaval /2010: Renata Gomes e seu par, o passista Thales Ricardo Galitesi.

No cavaco: Claudio Pereira que também será puxador de samba junto com André Korsakas e Vitor Felitti.

O Mestre de Bateria é Lucas Galitese.

Nossos encantadores Mestre Sala e Porta Bandeira: Cauê Matos e Catarina Sixel.

Como tradição, a Escola finaliza com a Ala dos Ciclistas, que aguardam pela sonhada ciclovia !

Carnaval Unidos da Demétria, participem das alas!

Em 2010 já foi animado assim, em 2011 com certeza será ainda melhor!
Participem!
Vejam aqui a letra do Samba Enredo de 2011.

27 de fevereiro de 2011

Hoje, Comemoração dos 150 Anos do Nascimento de Rudolf Steiner: 1861-2011



Forjando a Armadura:

Nego submeter-me ao medo,
Que tira a alegria de minha liberdade,
Que não me deixa arriscar nada,
Que me torna pequeno e mesquinho,
Que me amarra,
Que não me deixa ser direto e franco,
Que me persegue,
Que ocupa negativamente a minha imaginação,
Que sempre pinta visões sombrias.
No entanto, não quero levantar barricadas por medo do medo.
Eu quero viver, não quero encerrar-me.
Não quero ser amigável por medo de ser sincero.
Quero pisar firme porque estou seguro.
E não porque encobri meu medo.
E quando me calo, quero fazê-lo por amor.
E não por temer as conseqüências de minhas palavras.
Não quero acreditar em algo só por medo de acreditar.
Não quero filosofar por medo de que algo possa atingir-me de perto.
Não quero dobrar-me só porque tenho medo de não ser amável.
Não quero impor algo aos outros, pelo medo de que possam impor algo a mim.
Por medo de errar não quero tornar-me inativo.
Não quero fugir de volta para o velho, o inaceitável, por medo de não me sentir seguro no novo.
Não quero fazer-me de importante porque tenho medo de que senão poderia ser ignorado.
Por convicção e amor quero fazer o que faço e deixar de fazer o que deixo de fazer.
Do medo quero arrancar o domínio e dá-lo ao amor.
E quero crer no reino que existe em mim.

Rudolf Steiner

A Escola de Pais da Escola Aitiara promove:

Aulas Curriculares avulsas abertas à comunidade:

(desenho de lousa de prof.Waldorf)

PROGRAMAÇÃO DE MARÇO/2011


Dia 02 – Aula de História

Prof. Irceu Munhoz
Sala do 9º ano – Bloco do Ensino Médio
Horário: 19h 30


Dia 23 – Aula de Euritmia

Profª. Suzana Murbach
Salão de Euritmia
Horário: 19h 30





Inauguração do Espaço "Tudo a Mão"


Vamos inaugurar o Espaço Tudo a Mão em Botucatu com cursos de Costura Criativa, Desenho, Pintura e Temas para Bordado, Bordado Livre Aplicado e Renda Renascença !!!


Ao final do semestre haverá uma mostra dos trabalhos aberto ao público.

Os cursos são abertos a pessoas com ou sem experiência. 
 
Todas as informações estão no link:  www.tudoamao.com/blog

Spiritus temporis

Desenho de lousa de R.Steiner


" Ainda tenho muito que vos dizer, mas vós não o podíeis suportar agora.Mas, quando vier aquele Espírito de Verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir."
João 16:12-13

Homenagem aos 150 anos de nascimento de Rudolf Steiner



Colaboração de Jane, moradora do condomínio Alvorada.

“O Vir a Perceber da Idéia na Realidade é a verdadeira Comunhão do Homem.”

Diante dessa visão profunda e extensa, só posso dizer com toda veneração, obrigada,Dr. Rudolf Steiner.A humanidade, sim um dia reconhecerá com certeza, a importância fundamental para o equilíbrio terrestre do tripé: Religião, Ciência e Arte, em que o homem terá que se fortificar.
Hoje manifesto a minha homenagem, num singelo poema:

Evolução

Com a prática religiosa,
Cultivamos a cienteza moral.
Através do conhecimento científico,
Edificamos a inteligência estrutural.
Na arte,encontramos a consciência
E linguagem universal.

Assim desenvolve o homem,
Sentindo , per vendo e afeiçoando,
O bom em si e no próximo.
O verdadeiro , em seu pensar individual.
O belo em todo o seu ser social.

Jane

26 de fevereiro de 2011

Alunos da Aitiara se apresentam hoje no Congresso de 150 anos-Rudolf Steiner

Apresentação de 2010 (foto de Mário Coelho)
Hoje, na escola Rudolf Steiner (SP), o 12º ano da Aitiara, mais 8 alunas do 9º ano irão apresentar um espetáculo de Euritmia no CONGRESSO de 150 Anos - Rudolf Steiner, juntamente com alunos da Viver Escola Waldorf de Bauru.
O programa apresentará em Euritmia, músicas de Pixinguinha, Villa Lobos,Waldyr Azevedo e Luiz Gonzaga e textos de Carlos Drummond de Andrade, Bené Fontelles, além de uma poesia de Morgenstern dedicada a Rudolf Steiner.
O acompanhamento musical será executado em parceria com alunos da APAE de Botucatu.

25 de fevereiro de 2011

Distorções ideológicas

Uma crônica afiada da Ana, moradora do condomínio Verbena e professora do Quintaventura:

Tive um professor querido de História, muitos anos atrás, que me explicou de forma exemplar o que é ideologia. Ideologia, dizia ele, é o seguinte: você passa muitos e muitos anos (por exemplo) odiando ler, repudiando tudo o que seja matéria impressa; num certo momento, percebe a importância da leitura, e passa entusiasmado ao estatuto de leitor contumaz. Porém, o mundo lá fora, que tudo observa, permanece com o você antigo, aquele que não gostava de ler, e por mais que você diga, prove, leia!, nada convence ninguém de que você mudou, que as coisas mudaram, que agora não só você reconhece o valor e o prazer de ler, mas lê o dia inteiro. Ideologia é isso: a permanência de uma determinada forma de pensar a respeito de uma realidade que,entretanto, já mudou e não é a mesma. Hoje eu sei que ele se apoiou nas reflexões de Marilena Chauí, mas na altura essa explicação me cativou.

O pensamento ideológico tem uma missão importante, ainda que inconsciente: convencer o resto do mundo que a mudança não aconteceu. O pensamento ideológico sai às ruas enérgico para comprovar, constatar, convencer e provar o que lhe parece óbvio: você não lê e não gosta de ler. Os fins, aqui, justificam os meios, e por isso a liberdade é irrestrita para camuflar, distorcer, omitir ou corroer fatos e informações. Vale tudo, porque há uma missão em jogo, há uma luta em campo que não é racional, mas absolutamente passional. O ser humano tem problemas com a desacomodação e a mudança – por isso, mais fácil garantir que nada mudou e que podemos continuar reclamando, eternamente, das mesmas coisas. Ainda que não existam mais. A sorte é que, como agora você gosta e lê, sabe disso e não se incomoda tanto. Até entende, quem sabe se magnânimo...

Os caminhos do pensamento ideológico são muitos, e todos estamos à sua mercê. O email que circula há algum tempo pela internet, com uma redação de uma aluna da UFRJ, pretensa ganhadora de um prêmio concedido pela UNESCO entre outros 50000 estudantes, é uma prova fantástica deste assunto. Ora vejam:

O email em questão conta que Clarice-alguma-coisa, aluna do último ano do curso de Direito da UFRJ, ganhou um prêmio concedido pela UNESCO, pela sua redação sobre o fim da pobreza e da desigualdade. Segue-se o email com o texto na íntegra, e ao final solicita-se que se encaminhe adiante, e assim “aos poucos vamos acordar este Brasil!”

Convém saber que o texto da estudante não ganhou o concurso, mas foi selecionado, com outros 100 textos, para integrar uma publicação da Folha Dirigida em parceria com a UNESCO (ou vice-versa, para não me acusarem de distorção!). Foram 42.000 estudantes, e todos eles brasileiros universitários, porque o concurso, que dá a impressão de ser mundial, aconteceu apenas no Brasil. A publicação tem a data de 2006-2007, e está disponível no site http://unesdoc.unesco.org/images/0015/001576/157625m.pdf.

A intenção da UNESCO não foi destacar o bom uso da língua, a clareza na exposição das ideias, a articulação equilibrada, a coesão trabalhada. Talvez, se fosse, a estudante de 26 anos tivesse uma nota razoável, apesar de não ser um texto exemplar e de, dependendo do ponto de vista, ter as qualidades necessárias a uma prova de ingresso à universidade e não as que se presumem necessárias a uma já-quase advogada.

A intenção foi justamente dar relevância a boas ideias que combatam e a pobreza e a desigualdade, conforme reza o título da publicação, e não a habilidade para “construir belas frases com palavras simples”, como elogia anonimamente quem coloca o texto em circulação. É claro que vemos e percebemos da realidade aquilo que a nossa percepção e história pessoal informa; é claro que a pluralidade de opiniões é a garantia da nossa democracia. Mas choca-me que a UNESCO consiga entender representativas da realidade brasileira as ideias expressas pela estudante, por muito irrepreensível (e não é) que seja seu texto. Se ainda penso que é uma aluna de último ano de Direito, mais me espanta e incomoda. E quando vejo que é aluna de uma universidade federal, pior ainda.

"Abundância de falta de solidariedade" e "exagero de falta de caráter" (para não passar do primeiro parágrafo) são expressões fortes demais para caracterizar um país onde precisamos de muitos e muitos dedos de muitas mãos para contar exemplos justamente do contrário. Eu sei (e por isso aquela introdução no início deste texto) que dificilmente se constrói um discurso ideologicamente livre, mas há limites, e uma estudante de último ano de Direito deveria ter construído, ao longo do seu tempo de estudo, a capacidade de olhar em volta com os olhos abertos. Seu texto está repleto de lugares comuns e chavões como aqueles que ouvimos repetidamente, que elegem o Tiririca como exemplo acabado do congresso que acaba de ser eleito, ignorando os tantos e tantos deputados capazes e honestos que povoam a Câmara. Joga-se o bebê, a água do banho e a própria bacia. Bastante fácil levantar bandeira por revoluções e reformas estruturais, sem perceber as que estão em curso, e que permitiram, inclusive, que a autora do texto chegasse a seu último ano de um curso de Direito do calibre do curso da UFRJ, "vítima" dos investimentos fantásticos que o Governo Federal fez nos últimos 8 anos no ensino superior público.

O texto de Clarice tem, no entanto, um aspecto positivo, e a sua circulação irrestrita e distorcida pela internet idem: são bons exemplos do que é preciso fazer com textos lidos no ambiente virtual. Por um lado, desconfiar, a partir do exercício do pensamento crítico e da análise da realidade, da veracidade dos fatos que veiculam, confrontá-los e confirmá-los buscando outras fontes; por outro, descobrir a imensa riqueza democrática que esse mesmo espaço virtual carrega em si, acessível por caminhos que lhe são próprios e peculiares e que precisam ser aprendidos e explorados nos últimos anos da educação básica, justamente porque são isso mesmo: básicos. As nossas salas de aula estão repletas de alunos que usam a internet e o universo virtual diariamente, de forma limitada mas muito intensa. Faltam-lhes recursos que lhes permitam dominar as ferramentas de pesquisa, faltam-lhes capacidades para poderem encontrar, nessa gigantesca caixa de Pandora, aquilo que necessitam e aquilo que ainda nem sabem que existe. Quem sabe possamos contribuir para que as próximas gerações de alunos da UFRJ consigam desenvolver textos mais articulados, maduros, reflexivos, inteligentes e bem escritos. O lucro será de todos.

24 de fevereiro de 2011

Ouvidoria Municipal

Colocamos na coluna à direita do Blog o banner com o link direto para o formulário de contato com a Ouvidoria da Prefeitura Municipal de Botucatu. Basta clicar na imagem que o formulário se abre automaticamente. Nele suas críticas, sugestões e reclamações serão enviadas à ouvidora Isabel Cristina Rossi Conte, que fala:

“Temos muito ainda a aprender e por isso gostaríamos de sempre receber comentários, críticas, sugestões. Acreditamos que o estreito relacionamento entre o munícipe e o poder público melhora a prestação do serviço e é de grande valia, pois o objetivo da existência da Ouvidoria Municipal é o cidadão que utiliza nossos serviços”

Escola de Samba Unidos da Demétria



Cores: Azul - Laranja

Diretores da Escola : Fabio de Bona   e   Ricardo Galitesi

Diretoras - Carnavalescas:  Célia Lulo  e  Mª. Cristina Pereira  

Coreógrafas: Suzana Murbah  e  Renata Gomez 

Coordenadores de Harmonia: Hans Reisewitz     Wado Siva   Vantuir Batista

Histórico da Escola: Fundada como bloco em 2004, pelo casal Marielza e Fábio De Bona;Filosofia da Escola: manter a união e a alegria, através do ‘samba’.

Componentes: nº 200

Alas: nº 6

Carros alegóricos: nº 1

Destaques: nº 2

Samba-enredo:
                           Compositores: Lucas Lulo Galitesi  e  Fabio de Bona
                           Puxador/ voz: André Korsakas,Vitor Felitti e Claudio Pereira

                           Cavaco: Cláudio Pereira

Coordenadores e Mestre da Bateria: 
Pedro Retz – Taynan Sanchez – Tom Petraglia e Lucas Galitesi (Mestre da Bateria)

Rainha de Bateria: Renata Gomes

Passista: Thales Ricardo

Fantasia destaque de chão: 2

Comissão de Frente: Miscigenação.  As diversas etnias que estão presentes dentre os moradores do bairro Demétria.

Coordenadora da Comissão de frente: Maila Reisewitz 
Alas: Comissão de frente, ala das crianças, ala das danças brasileiras, ala dos agricultores, ala dos palhaços, ala das etnias, ala dos ciclistas.

Endereço:
Quadra: local de ensaios = Escola de Campo Aitiara
Bairro: Demétria
Telefone: (contato) = 3813 62 87  \  7834 1005   
ziriguidum.carnaval@hotmail.com


Letra do samba enredo:
Oh!Demétria eu sou
Na avenida vou mostrando meu amor

(Falado)
“Alô nação demetriana!
Vamos cantar com alegria
Tudo que um dia foi fantasia
E agora nesse carnaval
Fazemos desse sonho
Também virar real”
Lá lá lala laiá, lala laiá laiá
Lá lá lala laiá, lala laiá laiá

Plantei com alegria
Ao reino vegetal
Pra saudar os moradores
Do mundo Elemental

Sonhei viver assim
Me alimentando desse astral
Bem vindo o imigrante
Atrás do seu ideal


De leste a oeste, minha gente
Norte a sul, linda união!
Assim como as cores do arco-íris
Exaltamos a miscigenação   (2x)

E esse pedaço de chão
Muitos povos acolheu.
Da Europa, a inspiração
Que o mundo conheceu

Parabéns Rudolf Steiner
Sesquicentenário do seu natal
Fundou a Antroposofia
Que canto neste carnaval

Viva a mistura dos povos,
O amor à Demétria,
O samba e a canção!
Quem mora nesse bairro?
É todo mundo irmão!

Viva a mistura dos povos,
O amor à Demétria,
O samba e a canção!
Quem mora nesse bairro
Não é só alemão!

22 de fevereiro de 2011

Manejo Sustentável de Morcegos: Curso na UNESP Botucatu

(Dica de Maria Bertalot pesquisadora da ABD)


Dr Wilson Uieda (todas as fotos são dele) e equipe vão dar um curso sobre morcegos na Unesp!

CURSO DE TREINAMENTO EM BIOLOGIA, MANEJO E IDENTIFICAÇÃO DE MORCEGOS
Os morcegos representam atualmente um quarto de todas as espécies de mamíferos e encontram-se distribuídos por quase todo o mundo. Essa grande diversidade está diretamente relacionada com sua capacidade de voar, sua plasticidade alimentar e de ocupação de diferentes tipos de abrigos. Além disso, exploram o ambiente noturno que possui muito alimento e poucos competidores. Ecologicamente, atuam no controle populacional de muitas espécies de insetos, inclusive aqueles de importância econômica e de saúde pública, e também no controle de diversas espécies de vertebrados. Muito divulgada e salientada é a importância dos morcegos na reprodução e dispersão de centenas plantas tropicais. A plasticidade genética e fenotípica dos morcegos tem permitido a sua sobrevivência ao impacto das mudanças provocadas pela urbanização e pelo desenvolvimento econômico. Muitas espécies praticamente se adaptaram e tornaram-se abundantes nas áreas urbanas e rurais, onde vem explorando os novos recursos criados e/ou trazidos pelo homem, como novas e abundantes fontes de alimento e abrigos. Logicamente, essa adaptação aumentou as populações de morcegos e as chances de seu contato com os seres humanos e seus animais de estimação e criação. Consequentemente aumentou também as chances de transmissão de doenças, como a raiva e a histoplasmose. Além disso, a má fama dos morcegos junto à população tem levado ao seu repúdio e, até mesmo, a sua eliminação física.
Período de Realização:
25 a 30 de Abril de 2011
Carga Horária:60 horas

Instituição Organizadora:
Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista, campus Botucatu

21 de fevereiro de 2011

Dramaturgia

Colaboração de Jane, moradora do condomínio Alvorada.


Assim sintetiza a evolução:

Com os gregos o ressoar através da máscara-persona.

Na idade média os dramas do cotidiano.

Com Shakespeare os conflitos pessoais internos.

Goethe surge com os conteúdos de humanidade.

Rudolf Steiner com os mistérios- dramas.

E nós o que elaboraremos para a evolução?

Ou restou, a transformação interior e exterior do conteúdo elaborado,

Como ser cidadão:Cidade+adão
Jane

Morcegos invadem Botucatu



Existem em todo o mundo, cerca de 1.200 espécies de morcegos, sendo que no Brasil podem ser encontradas cerca de 150. Entre todas as espécies, aproximadamente 70% são insetívoras, ou seja, alimentam-se de insetos, 20% são frugívoras e nectarívoras, que se alimentam, respectivamente, de frutas e néctar de flores, e 10% são carnívoras, piscívoras ou hematófagas. Estas últimas podem ser de três espécies: duas se alimentam do sangue de aves e apenas uma - Demodus rotundus - se alimenta do sangue de mamíferos, tais como bois, cavalos, porcos, cachorros e até mesmo do homem.
O relevante papel dos morcegos para o ecossistema pode ser constatado com os morcegos frugívoros e nectarívoros, importantes pela manutenção das florestas e pelo reflorestamento de áreas desmatadas, fazendo a polinização e a dispersão de sementes. Os insetívoros são responsáveis pelo controle da população de insetos como mosquitos, besouros, gafanhotos e mariposas, desempenhando função importante no controle de algumas pragas agrícolas.
Os morcegos hematófagos vivem em lugares úmidos, sendo encontrados apenas na América Latina. Durante o dia, abrigam-se em bueiros, cavernas, ocos de árvores, casas e minas abandonadas e pontes, habitualmente longe da luz. Eles saem todas as noites para procurar comida, uma vez que seu corpo não tem reserva de gordura e não sobrevive mais do que 48 horas sem se alimentar.
Para sua caçada, utilizam-se não só da audição e da visão, mas também da termorecepção, que é a capacidade de percepção de calor. Por serem capazes de captar pequenas mudanças na temperatura, podem encontrar e atacar o lugar exato, no corpo da presa, que contenha um vaso sangüíneo mais superficial. Desta maneira, conseguem morder o local sorrateiramente, evitando até mesmo acordar o animal. O morcego morde com os dois dentes incisivos, localizados na frente da boca, fazendo apenas uma ferida, já que os dois dentes atuam juntos para abrir um ferimento de cerca de 0,5 cm de comprimento por 0,3 cm de largura. A mordida é rápida e normalmente indolor. Nos humanos, ao contrário do que dizem as lendas sobre vampiros, estes não atacam a jugular, mas sim as extremidades do corpo. "As partes mais atacadas são os pés, seguidos pela cabeça, os dedos das mãos, os cotovelos e o nariz".
No Estado de São Paulo, as ocorrências de ataques de morcegos a seres humanos são muito raras. Já na região amazônica, elas são mais intensas e, por isso, recomenda-se o uso de mosquiteiros nas redes, a colocação dos animais em locais fechados ou protegidos com rede ou madeira e a manutenção de uma luz de lamparina sempre acesa. Em caso de ataque, a vítima deve lavar o local da mordida com água e sabão e procurar atendimento médico. "Em lugares onde não há criação de animais, os morcegos podem atacar pessoas para se alimentar. Neste caso, deve-se melhorar a segurança dos lares, mantendo as portas e as janelas das casas fechadas durante a noite".

Mesmo depois do ataque, quando o morcego já acabou de se alimentar, a sua saliva, que contém uma substância anticoagulante, faz com que o sangue demore para estancar e continue fluindo. A utilidade farmacológica dessa substância já está sendo estudada. "Talvez ela possa atuar na dissolução dos coágulos que causam a trombose".
Os vampiros são temidos não só pelos ferimentos que podem ocasionar, mas também pela possibilidade de transmissão da raiva, doença transmitida por morcegos contaminados com o vírus. "A única maneira de combater esse mal é a prevenção. Ele não tem cura, portanto, os criadores devem vacinar seus animais, além de solicitar ao serviço público o controle da população do morcego hematófago".
Texto da Rádio UNESP em entrevista com o Dr Wilson Uieda, docente do IB expecialista em Morcegos Hematófagos..

Oficina de Transparência em Papel de Seda

20 de fevereiro de 2011

ContArte ... 4° post: Novo carteiro

Novo carteiro

O carteiro que entregava há anos a correspondência a Pablo Picasso foi aposentado.  O novo carteiro ao entrar em seu atelier demonstrou sua admiração expressando:
Eu não tinha a mínima idéia de que seu filho pequeno também pintava!

Fonte: Kunschmann „Das große Anekdotenlexikon“


Espaço São Gabriel: Mutirão de Idéias!

A limpeza do Espaço São Gabriel continuou avançando nesta semana.Foi realizada uma roçada no entorno do prédio. Com o apoio do Condomínio Atiaia, Condomínio Alvorada, Escola Aitiara e ONG Nascentes, 4 funcionários cedidos por esses condomínios e organizações, fizeram uma boa limpeza na braquiária em volta do prédio.

Neste sábado, já pela segunda vez, um grupo de pessoas se reuniu no local para retirada de outros entulhos até então escondidos pelo mato alto. Toda a borda do prédio foi carpida, entulhos de construção foram jogados, em parte, no chão do piso inferior, tapando buracos e outros entulhos foram para a caçamba para serem levados ao aterro.
Ainda há muito trabalho e convidamos a todos novamente, para o próximo sábado , dia 26 de fevereiro, às 10h para continuarmos a limpeza e realizarmos o primeiro "Mutirão de Idéias", para começarmos a pensar nas possíveis alternativas de uso do espaço.
Vassouras e pás serão úteis dessa vez pois o local precisa ser varrido.
Também daremos início à montagem de uma Instalação com alguns objetos recolhidos durante a limpeza que agora vão virar obra de arte.
Todos estão convidados a participar!
texto: Heidi
foto:Ione

19 de fevereiro de 2011

18 de fevereiro de 2011

CIGARRA....(9°post da série "Encantos da natureza")


CIGARRA
No tronco do guapuruvu a  cigarra se sustenta quase sem tocar.  Seu corpo roliço contrasta com as longas  asas translúcidas.  Estado de espera antes de começar o canto do entardecer.

Fotografia: Kasia Gomes
Texto: Renato Gomes

17 de fevereiro de 2011

Oficina Artesanal de Bambu - Confecção de Utensílios


Dias 05 e 06 de março
Bairro Demétria - Botucatu - SP

Como estão estruturadas as fibras do bambu?
Quais ferramentas usar e como dar acabamentos?
Quais técnicas usar para dar formas a este material?
Através desta oficina a pessoa se aproxima de forma prática e dinâmica desta planta, que é sem dúvida um dos recursos naturais mais sustentáveis que conhecemos.

Atividades:
.Observação da planta
.Colheita, plantio, mudas
.Tratamentos naturais
.Confecção de utensílios

Carga horária: 12 horas

Investimento: R$ 130,00

Instrutores: Carlos Lira e Sebastião Oscar Moreira

Inscrições e informações:
mhtml:{F2F06FC6-3119-4B51-918B-1246BC8925F7}mid://00000008/!x-usc:mailto:contato@trabambu.com - (14) 4102-0170 - (14) 81551703

“Quantos pães vocês têm?”


4 de março, Sexta-feira, 18:00h - Dia Mundial de Oração
“Quantos pães vocês têm?”
Liturgia e textos preparados por mulheres do Chile.
Encontro ecumênico aberto a todos os interessados

Celebrações regulares da Comunidade de Cristãos:

Domingos,9:30h O Ato Dominical para as Crianças e 10:00h O Ato de Consagração do Homem
Quartas-feiras,8:00h O Ato de Consagração do Homem
Nossas atividades são públicas e abertas a todos!
Pastor da Comunidade:
Renato Gomes tel.: 3814 20 20
e-mail: ccbotucatu@LPNET.COM.BR

15 de fevereiro de 2011

Horário de verão



Atenção!
O horário de verão termina
à 0h do próximo domingo (dia 20).
Assim, à meia-noite de sábado,
os relógios devem ser atrasados em uma hora.


12 de fevereiro de 2011

Atenção Botucatu !!! Leiam e ajudem a fazer cumprir...


Ministério Público proíbe a prática da capina química em área urbana

O Ministério Público do Estado de Minas Gerais, por sua Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente, instaurou ação civil pública em face ao município de Uberaba que proíbe a prática da capina química em área urbana. O município de Uberaba, por qualquer funcionário ou empresa terceirizada, ou de suas Secretarias Municipais se realizar o procedimento conhecido como 'capina química', em qualquer espaço do perímetro urbano, pagará multa no valor de R$ 10 mil.
Conforme o 1º Promotor de Justiça de Uberaba, Carlos Alberto Valera, em ultimato, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) expressa sua postura inabalável sustentando que a prática da capina química em área urbana não está autorizada pela Ansiva ou por qualquer outro órgão e não há nenhum produto agrotóxico registrado para tal finalidade.
Ainda segundo Valera, a Lei Estadual n. 10.545/1991, em seu art. 12 submete à pena de reclusão de dois anos a quatro anos, além da multa de 100 a 1.500 UPFMG o empregador, o profissional, o responsável ou o prestador de serviços que deixar de promover as medidas necessárias de proteção à saúde e ao meio ambiente. "O seu regulamento decreto nº 41.203/2000 classifica como infração utilizar agrotóxico ou afim em desacordo com os cuidados relativos à saúde, ao meio ambiente e à qualidade do produto final, (Art. 24, VIII), bem como a aplicação de agrotóxico ou afim não recomendados para a cultura (art. 31, §3º, item 3)", alerta.

Proibição - De acordo com o promotor, o Ministério Público concede a antecipação de tutela, a fim de proibir que o município de Uberaba, por qualquer funcionário ou empresa terceirizada, ou de suas Secretarias Municipais venha a realizar o procedimento conhecido como 'capina química', em qualquer espaço do perímetro urbano, com a imposição de multa diária. "A multa será no valor de R$ 10 mil de forma solidária entre o ente público e o eventual agente político ou servidor que tenha dado causa ao ato ilegal, para cada oportunidade em que for utilizado o referido procedimento, independentemente das demais sanções cabíveis, dentre elas criminais e administrativas. A eventual aplicação de multa deverá ser revertida para o Fundo Estadual dos Interesses Difusos (Fundif), junto ao Banco do Brasil S/A - agência nº 1615-2 - conta corrente nº 7175-7", acrescenta.

ANVISA PROIBE CAPINA QUÍMICA NAS CIDADES
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA publicou matéria em seu site informando que a capina química feita com agrotóxicos, em áreas urbanas expõe a população ao risco de intoxicação, além de contaminar a fauna e a flora local. Por esse motivo, tal prática não é permitida. Para orientar municípios de todo país sobre os perigos do uso de agrotóxicos nas cidades, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) publicou, na segunda quinzena de dezembro de 2010, nota técnica sobre o tema.

“Esse esclarecimento está sendo efetuado devido ao recebimento de inúmeras denúncias sobre a realização dessa prática ilegal e questionamentos da sociedade sobre a real necessidade da pulverização desses produtos químicos em ruas, calçadas, praças e parques das cidades”, diz Dirceu Barbano, diretor da Anvisa. Devido à ausência de segurança toxicológica, desde 2003 a Agência não permite a aplicação de herbicidas em ambientes urbanos.
Fonte:Publicação da Associação Ipê

As Corujas Brancas e o Bairro Demétria todo agradecem!

A foto da turma do mutirão é de Ione Gomes.
Após a tremenda faxina, o próximo mutirão será para dar uma geral no entorno (avisaremos a data!).

ContArte ... 2° post: Algodoeiros


Algodoeiros
Há muitos anos, os índios não sabiam cultivar a terra, nem domesticar os animais. Não construíam malocas e nunca tinham visto tecer ou fiar. Habitavam em cavernas ou alto das árvores. Pareciam animais selvagens.

Nesse tempo, havia uma tribo cujo pajé era prudente e sábio. Chamava-se Sacaibu.

Um dia Sacaibu resolveu mudar-se com seus companheiros para um lugar bem alto, com muita caça.

Sacaibu plantou uma semente dada pelo deus chamado Tupã. A semente germinou e virou uma árvore muito grande.

Passado algum tempo, perceberam que no lugar abriu-se um abismo muito fundo e que na árvore tinham crescido enormes tufos brancos.

Os tufos brancos eram algodões que com eles teceram roupas e fizeram cordas para chegarem ao fundo do abismo.Assim viram que lá em baixo tinha um povo muito adiantado, bom, forte, generoso e prestativo. Atendendo ao pedido de Sacaibu eles subiram nas cordas e ajudaram os índios a cultivar a terra.

Foi assim que nasceram os primeiros algodoeiros no Brasil.



Pintura : Jurandir Cavalcanti

11 de fevereiro de 2011

CURSO - Educador pré-natal

Clique na imagem para ampliar
Mais informações aqui !

¨Para mudar o mundo,
precisamos mudar a forma de nascer.¨
Michel Odent

Chamada Geral!


Será que já é hora da bicicleta? (11º post do ciclo "Fique por dentro da Pedagogia Waldorf")


Por: Pilar Tetilla Manzano Borba (*)

A idade ideal para a criança andar de bicicleta é após os 7 anos.
Porque? A bicicleta anda porque foi dado um impulso que faz com que as
rodas rodem mesmo que a criança pare de pedalar. Isso enfraquece a
'vontade' da criança, que está na idade (primeiro setenio) de usar
esse impulso volitivo do fazer, que trouxe da vida anterior.
Se a criança , ao invés de ganhar uma bicicleta ganha um velocípede:
veículo infantil que é movido pelos pés. Nele a própria criança com
seus pés no chão o faz andar, é ela quem está fazendo o movimento para
sair do lugar. Se os pés param de se mover, ele também pára de andar.
Esse tipo de "bicicleta" não faz mal porque é a vontade da criança,
ativa, que a faz sair do lugar.

A bicicleta requer movimentos alternados de pés e mãos (cruzados) que a
criança de 2-3 anos ainda está adquirindo. Nessa idade ela deve fazer movimentos
simétricos (o que um lado do corpo faz o outro faz igual no mesmo tempo e não alternados), a fim de usar os dois lados do cérebro.

Se anteciparmos uma fase na criança antes que ela adquire habilidades anteriores atrapalhamos seu desenvolvimento neurofisiológico, e isso irá repercutir desfavoravelmente no aprendizado escolar.


(*) Terapeuta Ocupacional
Pedagoga Waldorf
Pós-graduada em Antroposofia na Saúde pela UNISO
Professora no curso de fundamentação em pedagogia Waldorf
Orienta berçários, creches, maternais e jardins de infância
pilarborba@gmail.com

10 de fevereiro de 2011

Vaca (8° post da série " Encantos da natureza ")


VACA
A vaca olha, com seu redondo olho, tranqüila e serena o campo a sua volta...  como são delicadas as dobras de pele,  como se inclina elegante e suave a curvatura dos chifres,  como reluz úmedo o focinho escuro, atento aos odores do campo a sua volta...

Fotografia: Kasia Gomes
Texto: Renato Gomes

9 de fevereiro de 2011

Calendário "Árvores do Brasil" !


Um super presente:

Calendário 2011 ilustrado pelas artistas Monica Stein e Zelinda Jordão.
13 lindas árvores brasileiras, no tamanho A3 (para parede).
Preço: R$ 30,00
À venda diretamente com a Mônica:
Fones: (14) 4102-0908 - 8138-6967
E-mail: stein-aguiar@hotmail.com

8 de fevereiro de 2011

Lixo Extraordinário... Não percam!

Sinopse:

Filmado ao longo de dois anos (agosto de 2007 a maio de 2009), Lixo Extraordinário acompanha o trabalho do artista plástico Vik Muniz em um dos maiores aterros sanitários do mundo: o Jardim Gramacho, na periferia do Rio de Janeiro. Lá, ele fotografa um grupo de catadores de materiais recicláveis, com o objetivo inicial de retratá-los. No entanto, o trabalho com esses personagens revela a dignidade e o desespero que enfrentam quando sugeridos a reimaginar suas vidas fora daquele ambiente. A equipe tem acesso a todo o processo e, no final, revela o poder transformador da arte e da alquimia do espírito humano.




Dica da Pilar.

ContArte ... 1° post: Sol Amarelo


"Há pessoas que transformam o sol
numa simples mancha amarela,
mas há também aquelas
que fazem de uma simples mancha amarela
o próprio sol"

Texto: Pablo Picasso
Pintura: Vincent van Gogh

É melhor ser alegre que ser triste, alegria é a melhor coisa que existe!


Roda de Samba no bairro Demétria ...
A foto é de autoria da alegria em pessoa: -Rose Machado!

6 de fevereiro de 2011

COLIBRI ...(7° Post da série " Encantos da natureza " )


COLIBRI ou BEIJA-FLOR
O colibri mergulha no ar como nadador,  mas pára no preciso instante pra sugar o néctar da pequena flor.

Fotografia : Kasia Gomes
Texto :Renato Gomes

Como nos tornamos humanos? (10º post do ciclo "Fique por dentro da Pedagogia Waldorf")


Como nos tornamos Humanos?

Por: Pilar Tetilla Manzano Borba*

É conhecida por nós todos a história do menino lobo que ao ser criado longe do contato com outros seres humanos foi acolhido na floresta por uma loba e acabou se portando como um ser daquela espécie.
Muitos outros casos como esse ocorreram e vieram para afirmar que durante a infância imitamos o nosso meio e nos tornamos fiéis a ele.
Embora nasçamos com todo o potencial para sermos homens ou mulheres necessitamos conviver com modelos humanos para nos tornarmos humanos.
É nos três primeiros anos de vida da criança que ocorre a mais pura e perfeita imitação. A criança necessita portanto de uma pessoa a quem se vincule para que possa imitar e confiar.
No mundo atual, onde as mães, avós e tias saíram de casa para trabalhar, suas crianças estão indo cada vez mais cedo para berçários, maternais e jardins de infância.
A pergunta que fazemos é: existirão nessas creches e ‘escolinhas’ adultos coerentes, confiáveis, responsáveis e dignos para servirem como exemplos que possam ser imitados? Adultos comprometidos com a educação e com o importante e verdadeiro significado da infância? Adultos que se vinculem profundamente à criança com respeito e dignidade?
“VINCULO: Alimento e Promotor de Saúde Integral – como desenvolvê-lo nas creches” (tema de minha monografia do curso de pós-graduação em Antroposofia na Saúde - Universidade de Sorocaba - é um assunto que há muito tempo observo, estudo, trabalho e ensino nas inúmeras creches que conheci, trabalhei e orientei desde que me formei em terapia ocupacional).
A Pedagogia Waldorf fundamentada na antroposofia me deu suporte aumentando meus conhecimentos a respeito do ser humano e reafirmando o enorme cuidado que devemos ter na presença e no trabalho junto de crianças pequeninas.
Como a criança é um ser que aprende através da imitação, ela necessita se vincular a alguém que seja constante, especialmente nos seus três primeiros anos de vida. Uma mesma pessoa que a possa acolher, alimentar, cuidar de seu sono, de sua higiene, que converse e brinque com ela com respeito, amor, carinho e, sobretudo que possua todas as qualidades positivas que um educador precisa ter. Desta maneira há uma grande chance dela se desenvolver com confiança, amor e esperança.
Nossa memória nos primeiros três anos de vida é principalmente emocional e comportamental. De como fomos cuidados e educados na primeira infância dependerá, em grande parte, o nosso comportamento na vida adulta. Muitas condutas negativas vivenciadas na primeira infância poderão ser repetidas na adolescência e idade adulta, necessitando muitos anos de terapia para se conscientizar e tentar mudar esse estado.
Hoje há inúmeros registros de indivíduos que fazem o mal por pura repetição do que fizeram com eles na infância.
Vários fatores colaboram para a nossa formação: genética, ambiente e individualidade mas, para olhos atentos, muitas das nossas atitudes demonstram a maneira como fomos criados e conduzidos sobretudo na infância.
É triste a realidade de que poucos profissionais conheçam e valorizem como se forma o nosso sistema nervoso central nos três primeiros anos de vida. Tudo que captamos através dos órgãos dos sentidos é registrado nesse período em que a consciência ainda não despertou e onde não temos a possibilidade de filtrar o bom ou o ruim. Tanto o carinho como os maus tratos serão registrados para sempre em nossa memória.
É lamentável que se invista tão pouco em educação infantil. A qualidade e a constância do pessoal que trabalha em berçários e creches também deve ser levada em consideração, pois é na constância que se forma o vínculo, pré-requisito para o cultivo da confiança.
A criança pequenina, embora ainda não fale, espera chegar no berçário, creche ou jardim-de-infância e encontrar a mesma pessoa que a cuidou no dia anterior. Assim como ela espera encontrar a mesma caminha, o mesmo carrinho, a mesma bonequinha,etc. Sua memória afetiva e sensitiva lhe trará um grande bem estar se tudo estiver igual e tão bem cuidado como foi no dia anterior. Essa atitude de constância por parte dos educadores irá desenvolver o sentimento de confiança em relação ao outro, sentimento tão escasso nos dias de hoje.
Uma pesquisa feita pela ong Fight Crime: Invest in Kids (Combata o crime: Invista na Criança) conclui que US$ 1 gasto em atendimento de qualidade na infância economiza no futuro US$ 7 em gastos no sistema policial e prisional. “Investir num atendimento de qualidade para as crianças de zero a seis anos custa caro mas a pergunta que deve ser feita é se a sociedade pretende gastar esse dinheiro antes ou depois” - disse Thomas B. Brazelton, professor de pediatria de Harvard, conhecido mundialmente e autor de 38 livros traduzidos em 18 idiomas, numa entrevista ao jornal Folha de São Paulo em 22/11/2004.
Já existe um movimento mundial através da ALIANÇA PELA INFÂNCIA, UNICEF, UNESCO, COMPAZ, Instituto ZEROASEIS e outros órgãos preocupados em quebrar a cadeia de violência que assola o mundo. Todos estão procurando maneiras de alertar o ser humano do valor da educação infantil principalmente nos três primeiros anos de vida.
Além de uma alimentação de qualidade a criança necessita de calor para sobreviver. O calor do ambiente já não existe mais. Na maioria das creches e escolas de educação infantil todo chão é frio, os brinquedos de plástico, a grama sintética, o pátio cimentado e a televisão substitui as brincadeiras de corpo. Resta então aumentar o calor humano. E é desse calor que o ser humano está carente. Pelo número excessivo de crianças para uma só educadora fica impossível dar colinho e atenção individualizada. Esta já é uma forma de violência pois as crianças já desde muito cedo se sentem abandonadas.
A quantidade se sobrepõe à qualidade. A televisão é ligada para ‘distrair’ a criança que hipnotizada a olha sem ter nenhuma possibilidade de escolha. Isto também é violência.
A Pedagogia Waldorf, fundamentada na Antroposofia, através da auto-educação constante do educador, do estudo do desenvolvimento da criança e de suas necessidades, procura diminuir cada vez mais esse “educar em massa”. Ela propõe que se perceba individualmente cada ser. Que possamos enxergar o único e precioso ser que habita cada corpinho que nos é entregue a cada dia para cuidar e educar. Que tenhamos reverência diante de cada criança, mesmo porque ela é nosso maior mestre.
Rudolf Steiner (1861-1925), fundador da antroposofia, deixou-nos uma imensa contribuição para a compreensão das necessidades básicas do ser humano. Nos fez crer que tudo que fazemos, pensamos e sentimos diante da criança está sendo impresso em sua alma e em seu corpo para toda sua vida; que todos esses registros positivos e negativos irão colaborar na sua forma adulta de ser e ainda mais, que sua saúde física, emocional e mental irá depender em grande parte da maneira como na infância foi por nós acolhida, cuidada, educada e amada.

(*) Terapeuta ocupacional.
Pedagoga Waldorf
Pós-graduada em Antroposofia na Saúde
Professora no curso de formação de professores em pedagogia Waldorf
Orienta berçários, creches, maternais e jardins-de-infância
e-mail: pilarborba@gmail.com
Foto: Google imagens.

HOSPITAL PSIQUIÁTRICO - O teste da banheira.


Durante a visita a um hospital psiquiátrico, um dos visitantes perguntou ao diretor:

- Qual é o critério pelo qual vocês decidem quem precisa ser hospitalizado aqui?

O diretor respondeu:

- Nós enchemos uma banheira com água e oferecemos ao doente uma colher, um copo e um balde e pedimos que a esvazie. De acordo com a forma que ele decida realizar a missão, nós decidimos se o hospitalizamos ou não.
- Ah! Entendi. - disse o visitante. Uma pessoa normal usaria o balde, que é maior que o copo e a colher.

- Não! - respondeu o diretor - uma pessoa normal tiraria a tampa do ralo. O que o senhor prefere? Quarto particular ou enfermaria?


Dedicado a todos que escolheram o balde.
A vida tem muito mais opções.

Agora diz a verdade... você também escolheu o balde, não foi?